Bright | Crítica Will Smith estrela filme sobre seres místicos vivendo nos tempos atuais
bright-will-smith-joel-netflix-woo-who

Bright. David Ayer vai te levar a um cenário de fantasia nos dias atuais, com direito a elfos, fadas, orcs, e outros seres fantásticos convivendo em um mesmo mundo e enfrentando os conflitos sociais da contemporaneidade. Will Smith é Ward, um policial obrigado e ter como parceiro o orc Jakoby, vivido por Joel Edgerton. A trama é uma quimera de fantasia e policial, aproveitando muito bem os estereótipos dos dois gêneros. O trio de personagens principais é completo por…

Leia mais

Corpo e Alma | Crítica
Corpo e Alma | Crítica

Corpo e Alma é uma história de amor que acontece de maneira improvável, um filme da diretora Ildikó Enyedi, um romance que se desenvolve entre sonhos e um matadouro. Alexandra Borbély vive Mária, uma mulher extremamente detalhista, com uma memória invejável, que aplica em seu trabalho de maneira peculiar essas habilidades. Géza Morcsány é Endre, um dos diretores da empresa em que Mária começa a trabalhar, logo ao primeiro olhar Endre é atraído por Mária, mas seus mundos passam a…

Leia mais

Em Busca de Fellini | Crítica
Em Busca de Fellini Critica Woo Who

Dirigido por Taron Lexton, Em Busca de Fellini nos apresenta a jovem Lucy (Ksenia Solo), uma menina de 20 anos blindada do mundo pela sua mãe, Clarie (Maria Bello) e sua tia Kerri (Mary Lynn Rajskub). Devido a um infortúnio, Lucy é obrigada a sair do mundo de fantasia construído em sua casa e encarar a dureza da realidade, em sua primeira viagem ao mundo real, Lucy conhece um filme do cineasta Frederico Fellini, fato que mudará para sempre…

Leia mais

Crítica | Annabelle 2: A Criação do Mal

    Há tempos que o terror hollywoodiano não via um talento mesclado com a capacidade de criar grandes franquias como o do malaio James Wan. O cineasta, responsável por nada menos que “Jogos Mortais”, “Sobrenatural” e “Invocação do Mal” mostrou que é possível um filme sobreviver ao baixo orçamento focando na execução, nos personagens, em histórias paralelas – o que implica em roteiros nem um pouco preguiçosos – e, por último mas não menos importante, os sustos essenciais…

Leia mais