O Diário de Nisha | Resenha

O Diário de Nisha Resenha Woo Who

O formato do livro em diário ganhou fama na última década, principalmente com livros de guerra, como o Diário de Anne Frank (Annelies Marie Frank) e Diário de Zlata (Zlata Filipovic). Esse formato ficou conhecido por dar ao leitor a impressão de estar lendo algo secreto, já que um diário é considerado por muitos um objeto íntimo. Por ser escrito pelo próprio protagonista, o livro é formado de pensamentos, medos, sonhos e inseguranças. Assim também é O Diário de Nisha.

Escrito por Veera Hiranandani, o livro intitulado originalmente de The Night Diary (O Diário da Noite), conta a história de Nisha, uma menina que vê seu país e seu povo serem divididos sem aviso. Ambientado em 1947, na Partição da Índia, Nisha e sua família se veem obrigados a abandonar todas as suas coisas durante a noite e fugir para longe da recém-criada República Islâmica do Paquistão, onde hindus não são bem-vindos.

Quieta, mas observadora, Nisha não consegue entender porque as pessoas precisam brigar e se dividir por causa de religiões diferentes e escreve todas as suas dúvidas e questionamentos em seu diário. O leitor pode acompanhar o amadurecimento de uma menina que vai de uma criança preocupada com comida para uma criança que se vê no meio de uma situação traumática.

Por ter apenas 12 anos, os adultos não contam muitos detalhes a Nisha do que está acontecendo, mas a curiosidade da menina é o bastante para descrever todas as mudanças a sua volta. O leitor consegue acompanhar a narrativa sem problemas, mesmo sem saber da história da Partição da Índia. A obra é sobre uma personagem ficcional, sim; mas em uma situação bem real e histórica. Assim, é possível esquecer que Nisha é apenas uma representação de todas as crianças que viveram durante esse período e sofreram tanto quanto ela, e pensar nela como uma criança de verdade.

O Diário de Nisha é um livro envolvente que consegue transmitir o horror de ter que deixar tudo pra trás da noite pro dia em busca da segurança. Porém, mesmo ao ler as tragédias dessa mudança, o leitor ainda consegue ter uma lição sobre esperança e gratidão. Uma história sobre guerra, sim; mas antes de tudo um história sobre superação, amizade e amor familiar. Atemporal, é um livro que todos deveriam ler.

Ficou interessado? Clique aqui e garanta já o seu!

Para mais informações sobre o mundo dos Livros e das HQ’s, curtam e sigam nossas Redes Sociais.